segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Dança Afro-Brasileira

A dança africana foi recriada no Brasil, nas diferentes épocas e regiões, visto que esse legado ganhou aqui novos significados e expressões. E neste contexto vale ressaltar que nos debates a cerca da dança afro são muito importantes as temáticas como tradição, oralidade e identidade. As danças afro-brasileiras presentes na cultura popular se expressam em vários ritos: na rua, na sala, no terreiro, no âmbito do sagrado ou profano, como: sambas nas suas inúmeras modalidades (de roda, rural, enredo, canção, reggae, partido alto, rock, entre outros), maculelê, afoxé, axé baino, danças do Reinado de Nossa Senhora do Rosário, (congos, Moçambique, catopés, marujos, manguaras, pastorinhas, candomblés), folia de Reis, Umbanda, Candomblé (dança dos orixás), jongo, batuque, capoeira e muitos outros.

O maxixe foi o primeiro tipo de dança urbana surgida no Brasil. Era dançado em locais que não atendiam a moral e aos bons costumes da época, como em forrós, gafieiras da cidade nova e nos cabarés da Lapa, no Rio de Janeiro. Por volta de 1875, estendendo-se mais tarde aos clubes carnavalescos e aos palcos dos teatros de revista. Os homens de classes mais privilegiadas freqüentavam esses bailes e gafieiras, em busca da sensualidade das danças africanas.
"Os pares enlaçam-se pelas pernas e braços, apoiando-se pela testa, essa maneira de dançar lhe valeu o título de escandalosa e excomungada. Foi perseguida pela polícia, igreja, chefes de família e educadores. Para que pudessem ser tocadas em casa de família, as partituras de maxixe traziam o impróprio nome de "Tango Brasileiro".
Era uma forma de dançar não atrelada a um gênero musical específico, sendo inicialmente dançado ao ritmo do tango, da havaneira, da polca ou do lundu. Só nos fins do século XIX, as casas editoriais consideraram-no um gênero musical, imprimindo as músicas com essa classificação: "a primeira dança genuinamente brasileira".
No início do século, alcançou grande sucesso nos palcos europeus, sendo apresentada com requintes coreográficos pelo dançarino Duque, na França e na Inglaterra, em 1914 e 1922, quando entrou em declínio cedendo espaço ao fox-trote e posteriormente ao samba.

A dança originou-se na África como parte essencial da vida nas aldeias. Ela acentua a unidade entre seus membros. Em sua maioria, todos os homens, mulheres e crianças participam da dança, batem palmas ou formam círculos em torno dos bailarinos. Todos os acontecimento da vida africana são comemorados com dança, nascimento, morte, plantio ou colheita; ela é aparte mais importante das festas realizadas para agradecer aos deuses,uma colheita farta.
As danças africanas variam muito de região para região, mas a maioria delas tem certas caracteristicas em comum. Os participamtes geralmente dançam em filas ou em círculos, raramente dançam sós ou em par. As danças chegam a apresentar algumas veses até seis ritmos ao mesmo tempo e seus dançarinos podem usar máscaras ou enfeitar-se.

A dança está presente no dia-a-dia das pessoas, seja no vilarejo ou no bosque sagrado ou das florestas. A dança interrompe a monotonia e estrutura do tempo. Assim como uma canção, a dança é uma forma de contar histórias.


Por Victória Assis :)

 



1 comentários:

Maria Gorethe Nunes Lopes disse...

Meu muito obrigada por existir matérias tão importantes como estas na internet.Vai me ajudar muito nas minhas pesquisas.

Postar um comentário